01
mar
10

Conversação: O Corpo, a arte e a cidade: Um diálogo muito mais intenso do que diz a mera civilidade.

release
re.lease
n 1 libertação, soltura, livramento. 2 liberação. 3 relaxamento, diminuição (de dor, sofrimento), alívio. 4 Jur desobrigação, isenção, cessão, quitação. 5 o respectivo documento. 6 liberdade de publicação. 7 obra literária cuja reprodução é permitida. 8 Phot obturador. 9 Mech desarme, disparo. 10lançamento (de disco ou vídeo). 11 informação oficial. 12exibição (de filme). • vt 1 soltar, libertar, livrar, liberar. 2desobrigar. 3 Jur ceder, renunciar a, quitar. 4 licenciar, lançar (publicação pela imprensa ou exibição cinematográfica). on(generalrelease em exibição (geral).

Fonte: http://michaelis.uol.com.br/moderno/ingles/index.php?lingua=ingles-portugues&palavra=release

Por entre as linhas do prédio

Por entre as linhas do corpo

Por entre as linhas no chão que marcam as vias que você anda.

Os números nas cadeiras que marcam a sua admiração da arte delineada.

Na Fila.

Na “Fila de filos de falos falantes“.

Nas contas.

Nas contas dos contos contados, cantados em encantos nos cantos da cidade.

Assim se dão os corpos na cidade. Assim se dão os corpos na arte da cidade [tatuagens] .  Assim, não sem mais nem menos. Assim, não sem lucros e dividendos [ na alma ]. Autômatos dançarinos, felizes bailarinos[na carne]. Retratos perfeitos do corpo sem defeito [no cerne do ser].

de efeito: malabares, males de bares, balas, balões e boemia e um céu chapado de cinza. E um chão chapado de cinza. E um cinza chapado sem chão nem céu.


Suas linhas eternas
Uma estátua Grega
Sem uma gota de perfume

As pessoas de bocas liadas deixam vazar pelos poros por onde dizem:

– “A sombra dos prédios conseguem me sufocar
O gás carbônico ainda vai me matar
Olho pra cima,
pros cantos,
pro lado,
pra onde vou não posso mais caminhar

Saio a esmo pela cidade, buscando alívio no som dos motores dos carros. Buzinas. Vozes e músicas que se confundem. Barulho, só barulho, nada de palavras claras, frases significantes. Insignificantes. Fuga. Meus passos firmes

pelas ruas são de fuga.

Do morro eu vejo a cidade
Da cidade eu não vejo… morro

O corpo exaurido queixa-se:

Não sinto mais minhas mãos,

Muito menos os meus pés.

Minhas costas cansadas se curvam para frente

E minha cabeça pesada despenca para baixo.


A retidão
A opinião
O conforto isolado os mantém fatigados, parados, inquestionantes ao final
de cada década
de cada rua
de cada poste
de cada post
de cada texto.

O Corpo, a arte e a cidade: Um diálogo muito mais intenso do que diz a mera civilidade.
Dia 08 de março, às 19h, no SESC Cultura em Blumenau, SC.

Com Carla Fernanda da Silva, Oara de Jesus, Celso Kraemer e (Gilson Ricardo Medeiros Pereira – a confirmar), Augs, Daniboy, Beli, Fernanda, Ana Flávia e Philipe.

>> www.clionocio.blogspot.com

Anúncios

1 Response to “Conversação: O Corpo, a arte e a cidade: Um diálogo muito mais intenso do que diz a mera civilidade.”



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Catalisa Arte e Cidade

JORNADA DE ARTE CONTEMPORÂNEA -- DE 05 A 10 DE MARÇO DE 2010 No SESC em Blumenau.

Realização


%d blogueiros gostam disto: